sexta-feira, dezembro 07, 2012

Luminária

Mais uma ideia criativa...................


Luminária de rolhas......    dei muito trabalho  pra quem furou uma a uma para passar os led da iluminação de Natal...

Olha que legal resultado final....




Relógio

Mais uma ideia criativa com uma roda de bicicleta que tinha ido para o lixo...


Roda de bicicleta, passei nela bombril, mas achei que ainda não estava legal...

Optei por tinta spray automotiva preta fosco, como fica legal pintar com spray...

Buscando alternativas para os ponteiros, pois estavam pequenos demais....





Ainda pequenos , ms agora sobre o espelho, que da uma dimensão a eles e ficam visível. 
 Relógio de roda de Bicicleta......


Trabalho  final , mas ainda aguardando um ponteiro maior, falta saber onde achar....

Ideias Criativas

Depois de andar um pouco sumida, cheia de trabalhos e entregas no curso estou de volta, morrendo de saudade de conversar com vocês e  colocar umas ideias super bacanas por aqui....
Então vamos la ideias criaitivas...
.
A final o que não me falta é criatividade,...

As vezes passamos nas ruas e encontramos coisas velhas , mas que  podem ser algo útil com um pouco de criatividade, ficamos constrangidos de colocar em baixo do braço e  dar um novo rumo a ele.  Achamos   na casa de um amigo que já tinha tirado tudo da mudança e deixou coisas que iam para o lixo pra trás. Pegamos um patinete, todo enferrujado, com roda torta, sem ter  como restaurar para colocar em uso novamente, pois não existe mais peças para o mesmo. A duas  semanas tive que escolher um trabalho de restauração de ferro, iluminação e mecânico para criar um projeto de execução e montar e expor  aos demais na escola.

Segue como era este  patinete...

Lixei ele, passei um anti-ferrugem  e pintei com tinta esmalte, mas não tinha ficado legal. Até que indicaram-me a tinta spray automotiva fosca, além de ser muito fácil de aplicar, fica perfeita a pitura. 

 Contei com a ajuda  do meu pai para fazer a caixa em madeira, tentei verniz, mas  acho que branca ficaria melhor então....



Olha como ficou fofa....  tive que incrementar com flores e um lindo coração de  tecido.



Ideias criativas com  peças  que em outras situações iriam fora, é sustentabilidade ... amor ao planeta  e  uso  de um pouco de si para dar cara ao que já  não tem mais....

quinta-feira, outubro 11, 2012

CORTINAS como Escolher a sua...

Oi !!!!!!a todos que seguem e acompanham com carinho este espaço.

Andei sumida, mas estou de volta para atualizar com mais frequência este blog e colocar passo a passo trabalhos de restauração e criação de novos objetos com reciclagem.

No entanto vou falar um pouco agora de algo muito importante para a decoração do seu espaço, não só para vestir ambiente, mas para proteger seus móveis do sol, dar estilo ao seu ambiente e controlar a luminosidade. A CORTINA.

Fiz não faz muito tempo um trabalho curso de Design onde eu e outras colegas fomos a fundo no tema cortina, tanto em termos de estudo, como parte que compoêm a mesma, tipo de cortinas, história e curiosidade, claro que não vou colocar o trabalho completo e extenso aqui, mas deixar um pouco que aprendi para dividir com vocês. Até mesmo como calcular o que vai  de tecido na montagem da cortina.

Devido ao tamanho da área que ocupam, as cortinas têm um papel fundamental na decoração de uma casa. Além de serem importantes como fator decorativo, participando da composição da parede com a qual devem estar harmonizadas, as cortinas têm também a sua função, os seus fins utilitários, tais como o de emoldurar as janelas e oferecer beleza e conforto, temperar a iluminação recebida pelas salas, controlar a acústica e eliminar ecos, disfarçar os elementos desagradáveis da arquitetura e assegurar intimidade aos seus ocupantes.
Antes de escolher o modelo certo de cortina é preciso fazer as seguintes perguntas:


- Quero bloquear a luz?

- Quero deixar a luz entrar, sem perder a privacidade?

- Quero deixar a luz entrar, porém quero que os raios de sol não estraguem o piso, o mobiliário e os eletrônicos?

- Quero isolar os ruídos externos?

- A cortina será um componente decorativo neutro ou será um centro de interesse?

- Como é a arquitetura da casa?

- Qual é o tamanho do ambiente?

- Como abrem e fecham as janelas?

- Como é a decoração do ambiente?


Cortinas criativas, com ilhós e decoradas com criatividade



Cortinas Rollô

Cortinas de Sarja

Cortinas leves de Voil

Seja qual for a cortina escolhida... saiba que todo o contexto tem que ser harmônico, e trabalhar junto na mesma linguagem decorativa do ambiente.   Além é claro da escolha do tecido do tipo de cortina,, voil, shantung, linho, tafetá, poly linho, gorgurão, chefron ainda temos tipo de prega a ser usada, , vai ser de prega americana, prega fêmea, prega macho, prega balão. Como vai ser fixada, varão, trilho,com ilhós , passantes ou argolas. Quais serão os detalhes decorativos... etc...   Muita informação para escolher uma cortina não é mesmo.   Segue um facilitador. Como calcular uma cortina padrão, profissional. Primeiro, tenha em mão a planta da parede onde ela vai ser fixada, uma cortina nas medidas de convensões não se limita apenas a medida da janela ou porta onde ficará, mas de no mínimo 20 cm de cada lado a mais e em cima e em baixo, de modo que quando for aberta ela possa mostrar a janela toda, entrar claridade por completo, possa controlar a mesma com o tipo de abertura da mesma.   O tipo de tecido que se usa, determina a quantidade, tecidos mais leves e transparentes como o voil, requerem mais panos  ou forros.

Partindo da medida de 3mt de largura o tecido que vai ser usado. Para Voil se usa de  3 a 4 panos da largura da janela no comprimento que fique 20 cm acima da janela e fique sobre o chã arrastando com uma barra de 30 cm. Para tecido mais grosso, 2x a largura da janela. O chique da cortina é que ela arraste no chão. com uma dobra de 30cm. Nas laterais 2cm de cada lado, na barra as laterais da barrão vão costuradas apenas 1/3. Acredito que muitos se perguntam pra que tanto tecido, porque a barra atirada ao chão, tudo isto é o que produz o caimento da mesma, frizar as marcas e linhas verticais da cortina, que dão todo charme no ambiente. Existem diversos revistas de cortina com passo a passo na hora da costura. Aqui mesmo neste blog, postei uma de ilhós. Fica aqui a dica. Cortinas curtas apenas para ambientes onde tem um móvel embaixo da janela o bonito são as longas e arrastando no chão deixando as marcas das pregas até em baixo, vestindo não só a janela como parte da parede.    

sábado, julho 21, 2012

Quero  Desejar um ótimo dia do AMIGO a todos!!!!!

Todos que estão  ali, na tristeza, na alegria, na folia, na escuta das dificuldades, nos conselhos e nos abraços, nas trocas de informações e no aprendizado, na evolução forçada.. Obrigada a todos amigos, amigo da familia, amigo irmão, amigo da internet, amigo vizinho, amigo e todos os amigos...

Um dia especial a todos!!!!
Renoir

quinta-feira, junho 21, 2012

Reciclando Abajur

Mais uma mudança gostosa que fiz na casa anterior onde morava, mudando um abajur...
Me empolguei vendo tantos post na internet de passo a passo de abajur e achei muito legal... Segue o meu.

Ele foi forrado com guardanapo de boca decorado em arabesco preto e branco. Usei Termolina para fixar e impermeabilizar para que pudesse passar um pano úmido  na hora de limpar o mesmo.

O que acharam?






Reciclando

Quando me mudei para onde moro hoje, vi que não daria para comprar tudo novo, o que fiz rever o que tinha e modificar. É tão gostoso ver um trabalho nosso exposto em nosso ambiente e mostrar para as pessoas o "Fui eu que Fiz".
Vamos a minha aventura no reciclando. Eu tinha um estante  velha, tava toda lasqueada na borda onde fica a fita do móvel. O arrastar da tv, arranho toda a prateleira. e realmente os puxadores de plástico eram  terrível. Era uma estante em Mogno que eu ja estava enjoada da cor. Segue a mesma.



 
Como esta se usando muito reck ao invés de estante, optei por tirar toda a parte de cima e usar apenas a de baixo. Tentei ver como ficaria pintado, vi vários post de como fazer com este tipo de móvel, mas achei que não ficaria legal. Optei por forrar com vinil branco. Desmontei as portas e gavetas para forrar o mesmo, optei pelo vinil, poie ele é mais resistente que o papel contact. Procurei uma destas casas que vendem ferragens e acabamentos para móveis, como puxadores e procurei um que ficasse maior e mais aparente no móvel ,para  dar mais vida e de preferência que não fosse de plástico. Sabe quanto gastei com cada puxador? R$ 5,00 pra quem é acha caro mudar de cara o seu roupeiro, armários e etc... achei bem acessível e isto que comprei um de ferro.  O único cuidado que tive para preservar o meu trabalho, por mais tempo, foi colocar vidro sobre o móvel, pois os arrasta arrasta em cima dele acabariam com o vinil, por mais resistente que fosse. O que deu um acabamento bem  bacana também. Segue o depois. 




segunda-feira, junho 11, 2012


Quadros

O quadro é uma fonte permanente de prazer, precisa ter vínculo com  nossas escolhas e espaço a ser usado, precisa estar de acordo com a nossa personalidade e dos que ali habitam. É muita conhecida a frase "Diga-me o que o homem lê e eu lhe direi que homem ele é"; assim também, pelos quadros usados em uma casa, pode-se julgar os habitantes, pois refletem seu gosto, cultura e educação.
Por mais alto que seja seu nível estético, não será bem escolhido se não for de agrado dos que na casa ou no ambiente residem ou passam seu tempo ali. A escolha do Decorador no quadro ideal condiz não só com a necessidade de combinar com o conjunto do espaço, como estar de pleno acordo com a decoração do ambiente.
Vários quadros com assuntos semelhantes e molduras idênticas podem se relacionar entre si, constituir um grupo e tornar-se um elemento só.
O quadro equilibra o ambiente e também completa. Quando a decoração do espaço estiver muito colorida, por exemplo, usam-se quadros de uma cor só, ou a carvão, ou a bico de pena, caso contrário se o colorido for pouco, opta-se por um quadro colorido e com brilho.
Cuidado na escolha do quadro é importante. Como diz o provérbio: “ melhor uma boa reprodução que um original medíocre. “ Quando não existe dinheiro para escolher um bom quadro, o melhor é optar por um poster, gravura ou reprodução mesmo. Os quadros nunca devem ser comprados somente para encher uma parede vazia, mas deve haver da parte do ocupante habitual da sala, satisfação pessoal na contemplação de cada quadro.
Cuidado também na escolha da moldura que tem a função de destacar o quadro e não de ser melhor que ele. Na decoração do ambiente deve-se ter o cuidado além de escolher bem o quadro a ser usado, ter o cuidado na escolha e uso do passe-partout deixando um espaço livre entre a gravura e a moldura e por fim  dar destaque a ele com uma boa iluminação.


As molduras mais belas foram feitas durante a Renascença, reinado de Luís XIV e princípios do século XVIII. Em meados do século XVIII começou-se a fabricar molduras de massa em vez de madeira entalhada. Essas molduras, muitas pesadas e enfeitadas, obscureciam e depreciavam os quadros nelas colocados. Hoje molduras antigas são muito procuradas, para pinturas e reproduções de quadros antigos. Procura-se novamente atingir a beleza das molduras do século XVIII, baseando-se na adaptabilidade ao quadro e harmonia com todo o ambiente.
Pinturas a óleo devem ser emolduradas em "passe-partout" ou vidro. Pinturas antigas pedem moldura rica, sendo a moldura dourada a mais usada, pois o dourado ajuda a harmonizar as cores sem com elas competir.
Deve haver muito cuidado com a moldura, pois nada mais feio, por exemplo, do que um dourado brilhante que em vez de realçar, ofusca o quadro. Também, o motivo da pintura a óleo, sendo pesado e rico em contrastes, pede uma moldura mais pesada e rica, enquanto que uma pintura mais leve pode ter moldura mais delicada.
Desenhos em bico de pena e aquarelas devem ter "passe-partout" e vidro; usando-se em geral moldura preta lisa ou com pequeno risco dourado, para os bicos de pena. Pinturas feitas em papel necessitam vidro para proteção, e a não ser que tenham grande espaço em torno do desenho, levam sempre "passe-partout". É comum as aquarelas levarem moldura branca, prateada ou de madeira natural, mais do que as molduras para quadro a óleo.
Reproduções são raramente usadas hoje em dia, em interiores bem decorados. Em todo caso, se alguém tem uma predileção toda especial por um quadro de um dos mestres, não há razão para que não possa usá-lo e deve ser emoldurado como se emolduraria o original, somente devem ser evitados quadros conhecidos demais e reproduzidos até em folhinha como a Mona Lisa, de Da Vinci, o Angelus, de Millet, etc.
Quadros em pastel, seguindo o gosto francês, são em geral emoldurados com moldura dourada. 
As molduras modernas são feitas em enorme variedade de materiais: vidro, espelho, cromo, madeira, cortiça e até fazenda, vendo-se no desenho das molduras inovações audaciosas. 












Quadros e ambientes

video

quarta-feira, junho 06, 2012

ESPELHOS E AMBIENTES

video
                                               Trabalho realizado por Designer Fabiana Silveira

terça-feira, junho 05, 2012

História da Arte Rococó

Chi Ppendaile

Thomas Chippendale foi um dos grandes nomes do mobiliário inglês do século XVIII, nasceu em Otley, Yorkshire, em 1718 e herdou do seu pai, um marceneiro também chamado Thomas Chippendale, uma oficina de móveis em Londres. Thomas Chippendale (1750 – 1790) foi um marceneiro inglês, que se consagrou pelo livro de mobiliário "“O cavalheiro e o Marceneiro", publicado em 1754. O guia tornou-se a cartilha do estilo Chippendale, combinando, com fantasia, fontes de inspiração inglesa (gótica, paladiana), francesa (rocaille), e chinesa. Foi a primeira obra inteiramente dedicada ao mobiliário, nela se justapondo o Rococó, o Gótico, o Clássico e as Chinoiseries.  Se os desenhos do livro eram pobres, o mobiliário fabricado por ele era perfeito em mão-de-obra e em desenho. Por causa de seu senso absoluto de linha e proporções, ele ganhou o apelido de "mestre da linha curva". Um móvel de estilo Georgiano Chippendaletem, de modo geral, pernas curvas (cabriolet), os pés podem ser em pata de leão, e madeira trabalhada com detalhes esculpidos. Chippendale também realizou peças em estilo oriental (chinoiserie). As pernas dos móveis eram "cabriolet" terminadas por "pied-de-biche" (pé de cabra).










Móveis curvos


Hepplewhite
 
George Hepplewhite (1727-1786)
Seu mobiliário tinha um aspecto um pouco mais delicado que o de Chippendale: os móveis eram mais curvilíneos, bem equilibrados. Pode-se notar um paralelo entre seu trabalho e o mobiliário Luís XV.
George nunca atingiu a popularidade do estilo Chippendale, só ganhando notoriedade após sua morte, quando sua viúva publicou o seu
Cabinet-maker and Upholsterer's Guide. Ele tinha sido aprendiz na maior casa de fabrico de mobiliário da província Gillow de Lancaster. Em 1760 teve uma oficina em Londres, onde popularizou o uso do pau-cetim e foi o líder de uma reação para maior delicadeza de linhas e proporções. Como conseqüência, seus móveis eram às vezes demasiados frágeis



                         Wardrobe George estilo Hepplewhite
 
Wardrobe George estilo Hepplewhite
  


Sheraton
 
Thomas Sheraton (1751-1806)
 
O estilo de Thomas Sheraton a princípio parecia com o Luís XVI, sendo depois influenciado pelos estilos Diretório e Império. O móvel que fabricava era delicado de estrutura, tinha linhas retas e curvas em segmento em lugar das curvas serpentinas de Hepplewhite. Sheraton também publicou um livro, The Cabinet-Maker and Upholsterer Drawing book, seus desenhos influenciando a produção inglesa durante um bom tempo. Como ornamentação empregava a marchetaria e aplicações de placas de porcelanas.







Sheraton
Diferente dos outros, Sheraton não era marceneiro, portanto não executava suas idéias. Ele desenhava modelos de mobiliário, nem sempre de criação própria. Apesar disso, foi um nome importante pelo seu próprio estilo (com influências dos móveis Luís XVI) e por seus livros publicados. Um deles foi "The Cabinet Dictionary", uma síntese de intruções das técnicas de fazer cadeiras e armários.




Características - Móveis parecidos com Hepplewhite com proporções reduzidas e com diferença nos detalhes. Seus móveis eram de grande leveza e suas linhas simplificadas com complicado mecanismo de montagem dos móveis.

Madeira – clara com fundo em mogno

Técnicas – emprego de curvas em favor das retas e de arestas vivas

Motivos Decorativos –
Jorrões, liras, festões, cornucópias, guirlandas e pequenas coroas

Mesas – circular ou retangulares , apoiadas em suporte torneado em
balustre que se abre na parte inferior em 4 pés encurvados para fora. Também criado mesas especiais para jogos e chás.

Camas – criador das camas gêmeas





  Adam                                                                           
 
 
Robert Adam, arquiteto e decorador, também se especializou em projeto e fabricação de móveis. O mobiliário que produziu tinha linhas delicadas e arquitetônicas, com ornamentação clássica. Usava bastante a pintura, alguns móveis inteiramente dourados. Sua principal criação foi o sideboard e também armários.

O estilo do Império Francês influenciou as artes na Inglaterra, principalmente em mobiliário. Se não tinha o ornamento napoleônico, era bem proporcionado e mais elegante que o francês dessa época. Depois tornou-se excessivamente ornamentado e grosseiro. Neste estilo as paredes das residências eram pintadas em cores fortes, contrastando com as cores pálidas dos interiores de Adam. Usavam colunas dóricas e jônicas, o ornamento seguindo o modelo clássico.






 Cadeiras estilo Adam

Regresso das linhas clássicas no mobiliário de Adam, Arquiteto Escocês, destacava-se pelas belas salas de jantar, harmonioso entre retas e curvas.

Estrutura móveis com caráter de utilidade, formadas por retas e curvas em traçado bastante geométrico com proporções belas, delicadas e graciosas, pintura clara em quase todos os móveis, alguns são dourados.

Materiais – mogno, decorados com porcelana e pinturas

Técnicas – adoção de formas
ortagonais, desenho sobre mármore e estuque de gesso. Pernas retas, quadradas ou circulares, sempre tornando-se mais estreita na parte inferior.

Motivos Decorativos – cabeças de leão, pássaros, figuras humanas, folhas de acanto, vasos, guirlandas e flores.


REGÊNCIA
 
Luís XIV foi sucedido por bisneto Luís: como este tinha apenas 5 anos, foi tutelado pelo regente Felipe de Orleãs. O móvel regência reflete a mudança de reino, apesar de predominar ainda o barroco, surge a tendência rococó em que se combinam mais agradavelmente retas e curvas. As linhas se fazem mais ligeira e os móveis menores. O equilíbrio se faz mais assimétrico, usando-se menos ornamentos , mas com mais gosto.









Características  - o mobiliário reflete o espírito de libertinagem e frivolidade da época, as salas diminuem e são feitos móveis menores. Móveis com influência feminina

Inovações – mobiliário ganham tamanho reduzido, ornamentos assimetricamente, novos ambientes como comedor e biblioteca, as lareiras passam a ser baixas

Os pés das cadeiras são unidas por travessas em forma de x
Surgem cadeiras
palinhas

Técnicas linhas leves, curvas sinuosas, laca, dourado a folha e madeira ao natural.

Os tecidos – usados em diversos móveis, são as tapeçarias de seda e veludos de Gênova, normalmente em tons claros.